Em que passo está a padronização para a troca de informações médicas?

{T:CONT_TITULO}

A indústria da saúde é a que mais gera informações. Diariamente são bilhões de dados que nem sempre se comunicam por conta dos inúmeros padrões criados pelo setor. Embora o paciente seja o principal prejudicado, profissionais da saúde – especialmente os médicos – sofrem com essa falta de paridade entre os sistemas tecnológicos e eletrônicos de saúde.

A falta de padrões comuns prejudica a tão sonhada interoperabilidade entre sistemas, médicos, hospitais, laboratórios, demais centros diagnósticos e, claro, pacientes. A melhoria do relacionamento de todos stakeholders depende dessa padronização, que abrange tanto a comunicação entre os sistemas propriamente ditos, como a nomenclatura de exames.

A MV é líder de mercado em sistemas de gestão de saúde e sempre mostrou determinação para a excelência, inovação e geração de resultados.

Atualmente, no mercado temos várias opções em sistemas de saúde. Por exemplo: sistemas de gestão hospitalar (HIS – Hospital Information Systems), de gestão laboratorial (LIS – Laboratory Information Systems), de automação laboratorial (LAS – Laboratory Automation Systems), de gestão em imagem (RIS – Radiology Information Systems), de comunicação e arquivamento de imagens (PACS – Picture Archiving and Communication System) e outros (controle de qualidade, faturamento e administrativos). Para um processo de atendimento ágil, integrado, seguro e de qualidade todos devem estar integrados e interoperáveis.

Partindo do princípio que a interoperabilidade significa operação conjunta, integração de dados e informações, percebemos que dois padrões estão em estágio avançados de incorporação na indústria brasileira, o TISS 3.02 e o Dicom. O padrão TISS 3.02 (Troca de Informação em Saúde Suplementar) entrou em vigor em setembro do ano passado e tem como objetivo padronizar ações administrativas, subsidiar as ações de avaliação, acompanhamento econômico, financeiro e assistencial das operadoras de planos privados de assistência à saúde e compor o Registro Eletrônico de Saúde.

Já o padrão DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicene) foi criado em 1983 e atualmente encontra-se na terceira versão. Entre os desafios, além de permitir a padronização de novos formatos de imagens diagnóstica, deve manter a compatibilidade com os antigos e, principalmente, facilitar o desenvolvimento e expansão dos sistemas PACS (sistema que permite o armazenamento e comunicação de imagens geradas por equipamentos médicos). O benefício real da integração de informações está completamente relacionado à qualidade dos serviços prestados.

Fonte: Saúde Web, 30/07/2015.

Tag(s): Notícias

Relacionadas

AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

+

Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

+

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

+

O impacto da LGPD na Oftalmologia

Você conhece a Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD (Lei nº 13.709/18)? Você sabe o que muda na sua empresa por conta dessa legislação?

+

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

+

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais entra em vigor

A partir de agora, as empresas deverão adotar uma série de medidas para evitar que as pessoas tenham seus dados vazados.

+

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio.

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio. Saiba mais...

+

Lives SBAO - Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

Como manter a sustentabilidade da empresa com as novas regras de segurança? Ajuste no fluxo de pacientes e espaço para o modelo pós pandemia Rotinas para...

+

Uma vitória histórica

Vencemos os optometristas no STF e garantimos a manutenção dos Decretos nº 20.931 e nº24.492, de 1932 e 1934, respectivamente

+

Lives SBAO - AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

Quais os limites e vantagens após 60 dias usando a telemedicina? Como está sendo o processo de pagamento? Qual o custo e o grau de satisfação dos pacientes?

+

Lives SBAO - Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

As operadoras de saúde irão propor mudanças na forma de remuneração? Preciso migrar para um novo modelo de negócio sem intermediários? Novas modalidades...

+

Lives SBAO - Gestão das Clínicas em Tempos de Covid

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19 Planejamento Financeiro, Gestão de Custos e Aspectos Tributários

+

Praia do Flamengo, 66B sala 401 - Flamengo - Rio de Janeiro - RJ
Cep: 22210-903 Tel: 21 2285-6052


Copyright © 2014 - SBAO - Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia