Como transformar informação de saúde em conhecimento?

{T:CONT_TITULO}
O Big Data pode revolucionar a saúde, traçando perfis fiéis dos pacientes para balizar iniciativas mais preditivas e menos reativas – e, portanto, gerar economia. Mas o que falta para esse cenário tornar-se realidade no Brasil?

“Informação, já temos. A dúvida é como transformá-la em conhecimento”, avalia Carlos Marinelli, CEO do Grupo Fleury. Esse processo envolve a estruturação dos dados, que transforma números sem contexto em indicadores palpáveis. E é isso que está em falta, avalia Paulo Magnus, CEO da MV. “A informação tem menos de 15 anos dentro das unidades de saúde do Brasil, é muito jovem. E, em sua maioria, foi direcionada para prescrições e não caminhamos para estruturar isso”, explica.

Uma forma de organizar esses dados em benefício da saúde da população seria o desenvolvimento de um modelo de prontuário online pelo governo, que seria disponibilizado publicamente na nuvem para todas as instituições, sugere Luiz Tizatto, CEO da UnitCare. Porém esse cenário é muito improvável, limitando outras iniciativas semelhantes. Magnus concorda e atribui às empresas a missão de conectar a saúde: “Não acredito que o governo possa prover soluções, mas a conexão de muitos bons projetos privados pode”.

Para se integrar, o setor precisa enfrentar duas barreiras: ’quem é dono da informação?’ e ‘quem paga por isso?’. “As empresas precisam enfrentar essas questões de frente e compartilhar para ganhar em escala”, avalia Jomar Fajardo, diretor de saúde da IBM.

O mercado de saúde pode se espelhar em outras áreas que já se integraram para pensar em iniciativas colaborativas. “O setor bancário é um bom exemplo, eles se conversam. O cliente pode fazer migração de serviço quando quiser e esses dados não vazam para o mercado”, diz Tizatto.

Relação com médicos
Há o fator de “as tecnologias são simples, mas o médico não quer adotá-las. Há, por exemplo, o temor de infringir o sigilo médico-paciente”, argumenta Tizatto.

Paula Campoy, diretora de excelência ao cliente da Abbvie, lembra que o médico hoje não é tomador de decisão isolado – o consumidor busca informações na internet, com amigos e outros vetores, dando a ele o papel de influenciador: “o médico acompanhar essa evolução é fundamental”.

Evangelizar a classe exige encontrar meios para se comunicar com eles de forma mais eficiente, argumenta Magnus. “O médico é conservador para mudanças porque não tem tempo. Se a informação chegar a ele de forma estruturada e com boa qualidade, vai perceber que há benefícios, como a própria economia de tempo”, conclui.

Fonte: Saúde Web, 28/09/2015.
Tag(s): Notícias

Relacionadas

AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

+

Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

+

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

+

O impacto da LGPD na Oftalmologia

Você conhece a Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD (Lei nº 13.709/18)? Você sabe o que muda na sua empresa por conta dessa legislação?

+

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

+

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais entra em vigor

A partir de agora, as empresas deverão adotar uma série de medidas para evitar que as pessoas tenham seus dados vazados.

+

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio.

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio. Saiba mais...

+

Lives SBAO - Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

Como manter a sustentabilidade da empresa com as novas regras de segurança? Ajuste no fluxo de pacientes e espaço para o modelo pós pandemia Rotinas para...

+

Uma vitória histórica

Vencemos os optometristas no STF e garantimos a manutenção dos Decretos nº 20.931 e nº24.492, de 1932 e 1934, respectivamente

+

Lives SBAO - AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

Quais os limites e vantagens após 60 dias usando a telemedicina? Como está sendo o processo de pagamento? Qual o custo e o grau de satisfação dos pacientes?

+

Lives SBAO - Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

As operadoras de saúde irão propor mudanças na forma de remuneração? Preciso migrar para um novo modelo de negócio sem intermediários? Novas modalidades...

+

Lives SBAO - Gestão das Clínicas em Tempos de Covid

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19 Planejamento Financeiro, Gestão de Custos e Aspectos Tributários

+

Praia do Flamengo, 66B sala 401 - Flamengo - Rio de Janeiro - RJ
Cep: 22210-903 Tel: 21 2285-6052


Copyright © 2014 - SBAO - Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia