“É quem paga a conta que deve encabeçar programas de promoção”

{T:CONT_TITULO}
Não há controvérsias: a responsabilidade de promover a melhoria da saúde é de todos os stakeholders, do paciente à operadora, passando por cada médico e unidade de saúde. Mas, na prática, há pouca movimentação espontânea para bancar grandes iniciativas, como programas de gestão de saúde populacional (GSP).

É importante considerar, primeiramente, que tais programas não precisam ter sempre um escopo global ou mesmo nacional. “Qualquer hospital ou região tem recursos limitados. A ciência da GSP é administrar esses recursos para otimizar o cuidado em determinado local”, pontua Jeremy Schubert, vice-presidente da divisão América Latina e Canadá da Abbott Diagnostics.

Nessa linha, todos os stakeholders podem atuar para criar iniciativas com abrangências diferentes. “Programas vindos de operadoras, como de controle pró-ativo da diabetes, deveriam ser incentivados. E hospitais deveriam se sentir empoderados para trabalhar programas em sua região também”, defende Israel Armstrong, diretor geral da Cerner no Brasil.

Há também uma questão de mercado: “A saúde não envolve só o sistema de saúde”, aponta Kaveh Safavi, diretor geral da Accenture. Pesquisa indica que os norte-americanos sabem que são os agentes mais responsáveis por seu próprio bem-estar – mais do que hospitais ou operadoras. “As pessoas só vão ao médico quando estão doentes. Para realmente falar sobre a saúde da sociedade, é preciso envolver outros setores, como a indústria de alimentos”, completa.

Apesar da responsabilidade compartilhada, é “quem paga a conta” que deve encabeçar programas, na opinião de Nicolas Toth, diretor geral para América Latina da Healthways International. “Tem que partir dos empregadores, dos planos de saúde e do governo. É preciso haver algo para compelir as pessoas a cuidar da própria saúde, seja com incentivos, seja com penalidades. Um exemplo é o cinto de segurança, que hoje todos usam”, argumenta.

Como mudar
É particularmente difícil fazer investimentos em saúde porque há uma exigência cada vez maior por retornos rápidos e o modelo atual é custoso. “Enquanto estamos trabalhando nessa grande disrupção, também precisamos fazer ‘minirrevoluções’. Temos que achar maneiras de otimizar o sistema”, defende Schubert. E isso passa por buscar eficiência em todos os processos, sempre colocando em foco a melhoria de vida do paciente.

“Todos no setor sabemos nossa situação e queremos que ela mude”, lembra Nina Lualdi, diretora sênior de inovação da Cisco na América Latina. Falta, contudo, empoderar o paciente com esse poder de disrupção, diz ela: “Acho possível, já vimos em outras indústrias, mas estamos atrasados”.

É preciso, portanto, se comunicar com o cliente de uma nova maneira. “Precisamos transformar a saúde em algo cool”, sugere Toth, lembrando apps e gadgets como um exemplo positivo.

No Brasil, a mudança só vai começar efetivamente quando dados confiáveis e estruturados estiverem disponíveis, argumenta Armstrong: “Não dá para discutir como melhorar a situação dos pacientes se não se sabe qual é o cenário atual. As empresas precisam publicar os dados do resultado de suas ações”. O mercado pode, assim, pensar coletivamente em novos modelos e, no futuro, até mudar o sistema de pagamento.

Diretor de soluções da GE Healthcare na América Latina, Felipe Rizzo, acrescenta a necessidade de uma mudança cultural. “Não temos incentivo para inovação na saúde e ainda estamos procurando o modelo certo. Acredito que a disrupção para o Brasil virá de fora, com as startups”, conclui.

*Carlos Oliveira, redator da Integrare – Marketing de Conteúdo 360º, especial para o Saúde Business
Fonte: Saúde Web, 29/09/2015.
Tag(s): Notícias

Relacionadas

AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

+

Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

+

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

+

O impacto da LGPD na Oftalmologia

Você conhece a Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD (Lei nº 13.709/18)? Você sabe o que muda na sua empresa por conta dessa legislação?

+

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

+

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais entra em vigor

A partir de agora, as empresas deverão adotar uma série de medidas para evitar que as pessoas tenham seus dados vazados.

+

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio.

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio. Saiba mais...

+

Lives SBAO - Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

Como manter a sustentabilidade da empresa com as novas regras de segurança? Ajuste no fluxo de pacientes e espaço para o modelo pós pandemia Rotinas para...

+

Uma vitória histórica

Vencemos os optometristas no STF e garantimos a manutenção dos Decretos nº 20.931 e nº24.492, de 1932 e 1934, respectivamente

+

Lives SBAO - AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

Quais os limites e vantagens após 60 dias usando a telemedicina? Como está sendo o processo de pagamento? Qual o custo e o grau de satisfação dos pacientes?

+

Lives SBAO - Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

As operadoras de saúde irão propor mudanças na forma de remuneração? Preciso migrar para um novo modelo de negócio sem intermediários? Novas modalidades...

+

Lives SBAO - Gestão das Clínicas em Tempos de Covid

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19 Planejamento Financeiro, Gestão de Custos e Aspectos Tributários

+

Praia do Flamengo, 66B sala 401 - Flamengo - Rio de Janeiro - RJ
Cep: 22210-903 Tel: 21 2285-6052


Copyright © 2014 - SBAO - Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia