3 medidas para evitar a aceleração dos custos com a crise

{T:CONT_TITULO}

Diferente do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação médica é composta além do preço, também pela frequência de utilização. Se em um ano o preço médio da consulta aumentou de R0 para R0 e a frequência média aumentou de 5 para 6 consultas médicas por beneficiário, o impacto desse aumento resultou em uma “inflação” do custo da consulta (preço*frequência) de 32%.

Em 2008, a crise bancária nos Estados Unidos, entre outros impactos no Brasil, acelerou acentuadamente o custo em saúde. O índice de Variação de Custos Médico-Hospitalares (VCMH) apresentou um de seus maiores picos para a série histórica na época, principalmente pela resultante de aumento da frequência de utilização e também do preço médio dos eventos, ambos fatores influenciados claramente pela crise. A frequência média aumentou porque as pessoas passaram a utilizar mais o plano de saúde com medo de perder o emprego e, consequentemente, o plano de saúde. Dessa forma, cirurgias eletivas que antes eram postergadas para férias ou por escolha do melhor momento, passaram a ocorrer com mais frequência. Já o preço médio aumentou em decorrência da alta do dólar que fez aumentar o preço de insumos médicos, principalmente aqueles utilizados durante as internações.

Novamente, estamos frente a frente com uma nova crise. O dólar está em alta, batendo recordes da série histórica e as empresas têm demitido ou pararam de contratar. Essa conjuntura econômica faz, novamente, as pessoas sentirem medo de perderem o emprego ou a renda que permite o financiamento do plano de saúde, o que provoca o aumento da utilização de serviços médico-hospitalares, que também tem sofrido aumento de preço devido a altar do dólar. Portanto, espera-se para os próximos meses uma aceleração mais acentuada do VCMH.

Frente a esse cenário, as empresas têm sentido essa movimentação e, além de lidarem com a crise, têm que fazer gestão da saúde. Diante disso, é possível desenvolver algumas ações para frear essa aceleração influenciada pelo aumento da frequência média de utilização.

1- Comunicação: se a sua empresa não está sofrendo os impactos dessa crise e não há previsão de demissões, invista na comunicação com seus funcionários para deixá-los mais confortáveis em relação ao medo de perder o emprego.
2- Gestão de alto custo e segunda opinião: invista, junto com a operadora de plano de saúde, na negociação dos custos das cirurgias eletivas, incluindo o preço de OPME e o prestador com melhor custo-efetividade.
3- Gestão preventiva de alto custo: evite que o alto custo ocorra agindo na prevenção, seja evitando uma cirurgia com OPME desnecessária ou direcionado o beneficiário para prestadores de referência na questão, focando na custo-efetividade.

Enfim, a crise chegou para todos, mas cada empresa pode enfrentar de um modo diferente essa situação. Essas são algumas das medidas que podem auxiliar na contenção da variação dos custos, contribuir para a sustentabilidade do plano de saúde e ainda diminuir a insegurança natural gerada em períodos como esse que o Brasil atravessa.

Fonte: Saúde Web, 04/09/2015.

Tag(s): Notícias

Relacionadas

AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

+

Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

+

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19

+

O impacto da LGPD na Oftalmologia

Você conhece a Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD (Lei nº 13.709/18)? Você sabe o que muda na sua empresa por conta dessa legislação?

+

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

+

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais entra em vigor

A partir de agora, as empresas deverão adotar uma série de medidas para evitar que as pessoas tenham seus dados vazados.

+

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio.

Congresso SBAO 2021 será em Salvador no mês de maio. Saiba mais...

+

Lives SBAO - Como os novos protocolos de segurança irão impactar na produtividade das clínicas?

Como manter a sustentabilidade da empresa com as novas regras de segurança? Ajuste no fluxo de pacientes e espaço para o modelo pós pandemia Rotinas para...

+

Uma vitória histórica

Vencemos os optometristas no STF e garantimos a manutenção dos Decretos nº 20.931 e nº24.492, de 1932 e 1934, respectivamente

+

Lives SBAO - AVANÇOS DA TELEMEDICINA:COMO MOTIVAR OS PACIENTES PARA A MANUTENÇÃO DO TRATAMENTO?

Quais os limites e vantagens após 60 dias usando a telemedicina? Como está sendo o processo de pagamento? Qual o custo e o grau de satisfação dos pacientes?

+

Lives SBAO - Saúde suplementar e a interface com os convênios: o que mudou?

As operadoras de saúde irão propor mudanças na forma de remuneração? Preciso migrar para um novo modelo de negócio sem intermediários? Novas modalidades...

+

Lives SBAO - Gestão das Clínicas em Tempos de Covid

Gestão das clínicas em tempos de COVID-19 Planejamento Financeiro, Gestão de Custos e Aspectos Tributários

+

Praia do Flamengo, 66B sala 401 - Flamengo - Rio de Janeiro - RJ
Cep: 22210-903 Tel: 21 2285-6052


Copyright © 2014 - SBAO - Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia