Informe Jurídico

Publicado por: Guia Trabalhista em 31/01/2013

{T:CONT_TITULO}

 

Reajuste do salário mínimo força empregadores a reajustar salário dos empregados.
 
O Decreto 7.872/2012 reajustou o valor do salário mínimo a partir de 1º de janeiro de 2013, passando de R$ 622,00 para R$ 678,00. O art. 7º, inciso IV da Constituição Federal estabelece a garantia a todos os trabalhadores ao salário mínimo, nacionalmente unificado.
 
Com fundamento no artigo 7º, inciso V da Constituição Federal e na Lei Complementar 103/2000, os Estados e o Distrito Federal podem instituir um piso salarial estadual diferente do nacional, por aplicação do disposto no parágrafo único do art. 22 da Constituição.
Como se sabe, alguns estados, se utilizando deste dispositivo, já instituíram pisos salariais estaduais, os quais abrangem todos os trabalhadores, exceto aos servidores municipais, aos estaduais, aos trabalhadores que tenham piso salarial definido em lei federal, convenção ou acordo coletivo de trabalho, bem como aos contratos de aprendizagem regidos pela Lei federal nº 10.097/2000.
 
Atualmente os Estados do Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Santa Catarina possuem pisos salariais estabelecidos por leis regionais. Os pisos estabelecidos pelos respectivos estados devem ser observados pelos empregadores de cada região.
Salvo o piso estadual estabelecido por Santa Catarina, cujo reajuste estabelecido pela lei é a partir de 1º de janeiro, nos demais estados os reajustes ocorrem a partir de fevereiro (Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro), março (São Paulo) e maio (Paraná).
 
O fato de haver o piso estadual não significa que se deva desprezar o mínimo nacional, ou seja, se o piso nacional é maior que o estadual, aquele deve prevalecer sobre este, já que a própria Constituição garante a todo trabalhador a remuneração mensal de, no mínimo, o salário mínimo federal.
 
Neste caso, considerando hipoteticamente que um empregado doméstico (do Estado de São Paulo) percebesse um piso estadual de R$ 640,00 em janeiro/2013, os empregadores domésticos daquele estado seriam obrigados a observar e remunerar seu empregado com base no mínimo nacional (R$ 670,00) nos meses de janeiro e fevereiro, até que aquele estado estabelecesse novo piso a partir de março (mês do reajuste do piso estadual), tendo em vista que o trabalhador não pode receber menos que o salário-mínimo.
 
Por outro lado, se o valor da menor faixa salarial de determinado piso estadual é maior que o mínimo federal, os empregadores estarão obrigados a remunerar seus empregados de acordo com a faixa salarial de seu estado. Atualmente nenhum dos estados acima citados possui piso estadual menor que o mínimo nacional, o que dispensa os empregadores de realizar essas manobras salariais.
 
Caso o empregador opte por remunerar o empregado pelo mínimo nacional e não pelo piso estadual, futuramente estará sujeito a ser condenado a pagar a diferença em caso de reclamatória trabalhista, tendo inclusive, que remunerar as diferenças em férias, 13º salário e FGTS, caso tenha optado pelo recolhimento fundiário.
 
(*) é Advogado, Administrador, responsável técnico pelo Guia Trabalhista e autor de obras na área trabalhista e Previdenciária.
 
Publicado em 24 de janeiro 2013.
Tag(s): Notícias

Relacionadas

Participe da programação científica SBAO

Estamos ansiosos pelo XI Congresso Internacional de Administração em Oftalmologia e e mais uma vez a sua participação como palestrante é fundamental para...

+

14º Web Meeting SBAO - Remuneração dos Serviços Médico-Hospitalares

Qual o valor justo para remuneração dos meus serviços? Porque o modelo atual está prestes a fracassar? Quais as alternativas? Tire estas e outras dúvidas...

+

13º Web Meeting SBAO - Planejamento Estratégico X Governança Corporativa

Como dar início ao Planejamento Estratégico em uma organização? Quais ferramentas para promover a estruturação dos arranjos necessários entre sócios e a...

+

11º Web Meeting SBAO - Gestão do Seu Tempo Como Fator de Performance

Por que as pessoas tem tanta dificuldade para administrar o tempo? Qual o impacto de uma boa gestão do tempo na vida profissional do médico (profissional da...

+

12º Web Meeting SBAO - Gestão Baseada em Evidência

Como a administração pode acompanhar as informações mais modernas de evidência científica para a tomada de suas decisões? Você está ligado em duas...

+

Web Meeting SBAO - Novas Tendências na Prática Oftalmológica

Você sabe como administrar o tempo de consulta? Como convencer em pouco tempo? Será que existe um tempo ideal? Nesse Web Meeting o Dr. Paulo Schor irá tirar...

+

Café com Especialistas

Quinta-feira, no estande da ALLERGAN - Participantes podem esclarecer dúvidas individualmente, recebendo orientações personalizadas

+

WEBMEETING SBAO - Consolidação do mercado de clínicas oftalmológicas

Aconteceu nesta segunda-feira (10/04) o nosso 9º Webmeeting. O Amaury Guerrero falou sobre a Consolidação do Mercado de Clínicas Oftalmológicas. Confira!

+

Web Meeting SBAO - Coloque o convênio para trabalhar para você com o reembolso médico

"Coloque o convênio para trabalhar para você com o reembolso médico". Este foi o tema do 8º Webmeeting SBAO que aconteceu no dia 13/03/2017

+

Web Meeting SBAO - O que um paciente cirúrgico busca em uma clinica oftalmológica

Você considera importante uma "cumplicidade" do medico com o pessoal de apoio ? Como o seu serviço investe nos métodos que surpreendam o seu cliente em...

+

Web Meeting SBAO - A evolução tecnológica na fiscalização da Receita Federal

Não deixe de assistir nosso 6º Web Meeting com o Edson Seabra Neto falando sobre a evolução tecnológica na fiscalização da Receita Federal.

+

Web Meeting SBAO - Colchão Financeiro e Blindagem Patrimonial

Por que ter um colchão financeiro? De quanto deve ser? Onde devem ser aplicados os recursos do colchão financeiro? O dr. Francinaldo Lobato Gomes irá tirar...

+

Praia do Flamengo, 66B sala 401 - Flamengo - Rio de Janeiro - RJ
Cep: 22210-903 Tel: 21 2285-6052


Copyright © 2014 - SBAO - Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia